Grįžti į portalą Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (atrinkta)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
Šio dokumento jūsų kalba nėra. Prašome pasirinkti kitą kalbą kalbų parinkties juostoje.

 Rodyklė 
 Visas tekstas 
Debates
Quinta-feira, 6 de Fevereiro de 2014 - Estrasburgo Edição revista

Relatório de progresso 2013 relativo à antiga República jugoslava da Macedónia (B7-0073/2014)
MPphoto
 
 

  João Ferreira (GUE/NGL), por escrito. - O processo de adesão à UE da Antiga República Jugoslava da Macedónia (ARJM) é indissociável do processo de desmembramento da antiga Jugoslávia, da guerra fratricida instigada e perpetrada pelas potências da NATO e da UE, da retórica nacionalista e xenófoba, do apoio aos grupos de extrema-direita e neofascistas. O impasse nas negociações com a Grécia em torno da designação do nome do país é um reflexo deste processo. Em vez de colocar ênfase no diálogo e numa solução mutuamente aceitável e respeitadora das soberanias de ambos os povos, esta proposta vem mais uma vez colocar pressão e promover a ingerência com o objetivo de acelerar o início das negociações de adesão à UE da ARJM. Na perspetiva da UE, os interesses dos grandes grupos económicos e financeiros, das suas grandes potências e da NATO sobrepõem-se a qualquer outro, independentemente das suas consequências, algo que não devíamos estranhar pois foi esta mesma convergência de interesses que conduziu povos vivendo lado a lado durante muitos anos, em paz e progresso, à guerra. Esta resolução evidencia também o apoio da maioria do PE ao carácter inseparável dos alargamentos da UE e da NATO.

 
Teisinė informacija - Privatumo politika