Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Terça-feira, 25 de Fevereiro de 2014 - Estrasburgo Edição revista

Fundo de Auxílio Europeu às Pessoas mais Carenciadas (A7-0183/2013 - Emer Costello)
MPphoto
 
 

  João Ferreira (GUE/NGL), por escrito. - Votamos hoje o resultado das negociações com o Conselho sobre a criação deste Fundo de Auxílio Europeu às Pessoas Mais Carenciadas (FEAD). O FEAD é importante, mas insuficiente tendo em conta as reais necessidades das populações. As políticas ditas de austeridade impostas pelo FMI, pela União Europeia e pelos governos nacionais têm conduzido ao aumento das desigualdades sociais, do desemprego, da pobreza e da população em risco de pobreza. No entanto, não podemos deixar de congratular o aumento do orçamento para 3500 mil milhões de euros para o período de 2014-2020, correspondendo a 500 milhões de euros anuais à semelhança do extinto Programa Europeu de Ajuda Alimentar às Pessoas Mais Carenciadas. Congratulamo-nos também com o aumento da taxa de cofinanciamento de 95 % para os países com maiores dificuldades financeiras e com a possibilidade de os Estados-Membros poderem optar por distribuir alimentos e/ou outras formas de assistência material às pessoas mais necessitadas, ou para resolvê-los por outros meios, tais como atividades de inclusão social. Votamos a favor.

 
Aviso legal - Política de privacidade