Tillbaka till Europarl-webbplatsen

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (vald)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
Detta dokument finns inte på ditt språk, men du kan välja ett annat språk i språkraden ovan.

 Index 
 All text 
Debates
Terça-feira, 11 de Março de 2014 - Estrasburgo Edição revista

Implementação do Céu Único Europeu (reformulação) - Aeródromos, gestão do tráfego aéreo e serviços de navegação aérea (debate)
MPphoto
 

  João Ferreira (GUE/NGL). - Senhor Comissário, sejamos claros, a intenção deste pacote é liberalizar e mercantilizar a gestão do espaço aéreo na Europa, avançar para uma nova área de negócios, conformar a gestão do espaço aéreo aos interesses das grandes companhias de aviação. Tudo é subjugado a este objetivo.

A fragmentação dos prestadores nacionais de serviços de navegação aérea corresponde a desmantelar estas empresas, que hoje funcionam assegurando elevados padrões de qualidade no seu desempenho, corresponde a pôr em causa não apenas essa qualidade como toda a cadeia de segurança, pôr em causa milhares de postos de trabalho, em particular nos países periféricos, pôr em causa a soberania de cada Estado sobre o seu espaço aéreo numa área onde os Tratados não atribuem competências à União: emprego, segurança, sustentabilidade ambiental, eficiência das rotas. É no quadro da propriedade e gestão públicas deste setor que todas estas questões podem e devem ser melhor equacionadas e não no quadro da sua liberalização.

 
Rättsligt meddelande - Integritetspolicy