Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Terça-feira, 9 de Junho de 2015 - Estrasburgo Edição revista

Estado das relações UE-Rússia (debate)
MPphoto
 

  Ana Gomes (S&D). A Rússia de Putin iniciou a agressão com a ocupação ilegal da Crimeia e prossegue-a no Donbas, não só contra a independência da Ucrânia, contra o Direito Internacional e a paz e a segurança globais.

Não queremos a guerra. Estamos e sempre estivemos abertos a dialogar e cooperar com Moscovo, apesar das listas negras de políticos europeus. Por isso, temos de aplicar sanções económicas, financeiras e outras, por muitos interesses económicos e outros que sejam afetados.

Putin conta com desunião europeia. Troquemos-lhe as voltas. As sanções terão de ser reforçadas se a Rússia continuar a violar os Acordos de Minsk. Mas importa direcioná-las. O povo russo já tem de aguentar a mordaça e o aventureirismo impostos pelo regime autoritário de Putin. É fundamental que a União Europeia apoie, política e financeiramente, defensores dos direitos humanos, bloguistas, meios de comunicação social independentes, académicos ou ONG, enfim a sociedade civil independente na Rússia.

 
Dados pessoais - Política de privacidade