Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Quarta-feira, 10 de Junho de 2015 - Estrasburgo Edição revista

Estado das relações UE-Rússia (A8-0162/2015 - Gabrielius Landsbergis)
MPphoto
 
 

  Fernando Ruas (PPE), por escrito. ‒ O presente relatório vem chamar a atenção para a violação deliberada e sistemática dos princípios democráticos e valores fundamentais do direito internacional, que está a ser perpetrada pela Rússia, através da sua participação direta e indireta no conflito armado na Ucrânia, na anexação ilegal da Crimeia, na violação da integridade territorial da Geórgia, bem como na coerção económica e na desestabilização política dos seus vizinhos europeus.

A UE tem, por isso, que rever a sua postura no que respeita às relações com a Rússia, o que deverá passar pela elaboração de um plano de contingência não vinculativo, bem como de um plano detalhado sobre as futuras relações com este país e os seus parceiros da Europa Oriental.

Apesar da crescente preocupação e alarme social decorrentes dos atropelos dos direitos humanos e das minorias, existe a crença de que será possível, a longo prazo, uma relação construtiva e previsível entre a UE e a Rússia, num quadro de diálogo e cooperação mútuos, baseado no respeito pelo direito internacional. Para isso, a Rússia terá de respeitar a integridade territorial e a soberania da Ucrânia, incluindo a Crimeia, cumprir os Acordos de Minsk e cessar as atividades de desestabilização militar nas fronteiras da UE.

 
Dados pessoais - Política de privacidade