Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2016 - Estrasburgo Edição revista

Fatores externos que obstaculizam o empreendedorismo feminino europeu (breve apresentação)
MPphoto
 

  Miguel Viegas (GUE/NGL). Senhor Presidente, como consequência das políticas liberais, a dolorosa realidade demonstra que o desemprego, a pobreza e a desigualdade têm rostos femininos. Em todos esses indicadores, as mulheres aparecem sistematicamente à frente dos homens. Procurar combater esta realidade com esta nova e moderna panaceia do empreendedorismo é totalmente ilusório – pretende curar a doença com o agente responsável pela mesma doença.

O problema da discriminação de género no emprego combate-se com uma legislação progressista que promova o emprego de qualidade, estável e bem remunerado. Não podemos promover a precariedade, que gera o desemprego feminino, e depois vir aqui defender o empreendedorismo feminino. Se queremos igualdade de género, temos de criar condições para todas as mulheres para uma cidadania plena. Isto implica a segurança no emprego, o combate a todas as práticas de discriminação de género e serviços públicos de qualidade que possam assegurar saúde e educação a todas as crianças. Não é, infelizmente, o atual rumo da política da União Europeia, mas sê-lo-á, um dia, com a luta das mulheres e de todos os trabalhadores.

 
Dados pessoais - Política de privacidade