Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Terça-feira, 19 de Janeiro de 2016 - Estrasburgo Edição revista

Fatores externos que obstaculizam o empreendedorismo feminino europeu (A8-0369/2015 - Barbara Matera)
MPphoto
 
 

  Liliana Rodrigues (S&D), por escrito. ‒ As diferenças entre homens e mulheres são ainda notórias nas carreiras empresariais. Em 2012, de todos os cidadãos da UE-28 que trabalhavam por conta própria, apenas 31 % eram mulheres. Quando as mulheres criam empresas, fazem-no mais frequentemente em setores relacionados com a saúde humana, a ação social ou a educação, enquanto os empresários do sexo masculino estão mais presentes em áreas dos setores da construção, dos transportes e das TIC. Não é de estranhar que o rendimento líquido das empresárias tenha sido, em 2012, 6% mais baixo que o dos homens. Além disso, as empresas das mulheres continuam a ser mais pequenas, sendo que apenas 23 % das empresárias são entidades patronais, em comparação com 30 % dos homens.

O equilíbrio entre a vida profissional e a vida privada que o empreendedorismo pode oferecer às mulheres representa um primeiro obstáculo ao seu sucesso, uma vez que pode fazê-las entrar num círculo vicioso em que criam menos oportunidades para adquirir experiência em gestão para conduzir as suas atividades, consolidar o seu historial de crédito e obter a confiança dos investidores. Continuamos a trabalhar para inverter esta situação.

 
Dados pessoais - Política de privacidade