Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Terça-feira, 19 de Janeiro de 2016 - Estrasburgo Edição revista

Fatores externos que obstaculizam o empreendedorismo feminino europeu (A8-0369/2015 - Barbara Matera)
MPphoto
 
 

  Inês Cristina Zuber (GUE/NGL), por escrito. ‒ Este é um relatório de iniciativa que indica que a taxa de empreendedorismo feminino é muito baixa em muitos Estados-Membros. No essencial, este relatório centra-se na ideia de que o setor privado e o empreendedorismo feminismo são a panaceia para a resolução dos problemas económicos e difíceis condições de vida das mulheres. É disso exemplo o incentivo à promoção de uma cultura de empreendedorismo nos currículos de educação e formação.

O relatório insta os Estados e a Comissão a criarem estratégias para explorar plenamente o potencial de mulheres como empreendedoras e advoga que são necessárias campanhas de sensibilização em bancos e em outras instituições financeiras para assegurar a igualdade de tratamento entre homens e mulheres para obter crédito, fazendo a apologia do endividamento e do risco negocial que, do nosso ponto de vista, é negativa. Também não podemos estar de acordo com a introdução de quotas por género no que se refere à atribuição de fundos da UE, que limitaria o acesso a esses fundos. Votámos contra.

 
Dados pessoais - Política de privacidade