Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Quarta-feira, 8 de Junho de 2016 - Estrasburgo Edição revista

Capacidades espaciais para a segurança e a defesa europeias (A8-0151/2016 - Bogdan Andrzej Zdrojewski)
MPphoto
 
 

  João Pimenta Lopes (GUE/NGL), por escrito. ‒ O relatório prossegue a política militarista e belicista da União Europeia, desta feita por via das capacidades espaciais como um instrumento importante para a ação externa, para a gestão das fronteiras, para a segurança interna, marítima e energética e para melhorar o desenvolvimento do complexo militar industrial europeu.

Insta ao reforço da cooperação (e submissão) da UE com os EUA e a NATO no que respeita às futuras capacidades/serviços espaciais para a PCSD.

Apoia o investimento contínuo nas agências dos domínios do espaço, da segurança e da defesa e ao recurso a tecnologias espaciais de dupla utilização, com vista a contribuir para o desenvolvimento da indústria militar europeia.

Todo o relatório se encontra imbuído do sentido de ter as políticas de segurança e defesa no centro das políticas da União Europeia, nomeadamente da política de ação externa, aprofundando o carácter agressor este processo de integração capitalista europeu e o conceito de “Europa Fortaleza”.

Votámos contra.

 
Dados pessoais - Política de privacidade