Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Quarta-feira, 27 de Março de 2019 - Estrasburgo Edição revista

Interoperabilidade entre os sistemas de informação da UE no domínio da cooperação policial e judiciária, do asilo e da migração - Interoperabilidade entre os sistemas de informação da UE no domínio das fronteiras e dos vistos (debate)
MPphoto
 

  Nuno Melo, Relator. – Senhor Presidente, duas notas finais: uma primeira palavra para as autoridades que, nomeadamente policiais, todos os dias arriscam a vida para garantir as nossas liberdades – é para estas autoridades policiais, e outras, que nós temos que dar as melhores respostas sejam Europol, Frontex, eu-LISA, ou, como no meu país, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, a PSP ou a GNR.

Uma segunda nota de contraditório ao que aqui ouvimos de Verdes e de Comunistas. Argumentam os Verdes que, com este sistema, verificamos criminosos, mas também pessoas que são sérias. Eu diria que é normal, porque se soubéssemos quem eram os criminosos não tínhamos que investigar coisa nenhuma. Exatamente porque estão todos misturados temos que investigar onde seja para que, de entre as pessoas honestas, que felizmente neste mundo são a maioria, consigamos detetar os criminosos e, através disso, evitar, nomeadamente, combates terroristas e um normal fluxo desde as fronteiras externas para dentro da União Europeia.

Já em relação aos Comunistas - que aqui são tão preocupados com estas questões da legalidade - também gostaria de dizer, apesar de se terem ausentado porque parece que o debate não será suficientemente importante, que garanto, com certeza absoluta, que aqui na União Europeia faremos tudo sempre com muito mais legalidade e respeito pelos outros e a proteção de dados do que, por exemplo, os regimes que os comunistas defendem todos os dias sejam na Venezuela, sejam em Cuba, sejam na Coreia do Norte, onde, aí sim, de forma intrusiva, sem respeito pelos Direitos do Homem, seguramente se recolhem todas as informações, se fazem detenções arbitrárias, até por delito de opinião, sendo que, no limite, as pessoas simplesmente desaparecem às mãos do Estado.

Dito isto, a nossa preocupação enquanto eurodeputados é o cumprimento estrito da legalidade e garantir a segurança dos povos.

 
Última actualização: 28 de Junho de 2019Dados pessoais - Política de privacidade