Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Segunda-feira, 16 de Dezembro de 2019 - Estrasburgo Edição revista

Intervenções de um minuto sobre questões políticas importantes
MPphoto
 

  Francisco Guerreiro (Verts/ALE). – Senhor Presidente, no passado dia 10 de dezembro Isabel Lourenço, ativista dos direitos humanos, foi expulsa dos territórios ocupados do Sara Ocidental pelas autoridades do Reino de Marrocos. Isabel, cidadã portuguesa, e europeia, respeitou todos os requisitos da lei marroquina para a entrada no país. Tinha passaporte válido, autorização para viajar, informação sobre o hotel em que se hospedaria e um bilhete de regresso de avião para Las Palmas. O que pretenderia com a sua visita era claro: conhecer a realidade dos prisioneiros políticos de Gdeim Izik. Porém, no aeroporto de El Aaiún, Isabel Lourenço foi classificada como persona non grata que estava a tentar atacar a soberania de Marrocos. A ativista viu, assim, o seu computador e telemóveis desconfigurados à força, tendo sido impedida de fazer quaisquer chamadas e enviada, contra a sua própria vontade, para Agadir através de um táxi.

Termino afirmando que a contínua repressão do Reino de Marrocos de ativistas e do povo sarauí, sobretudo no Sara Ocidental, tem que terminar e a Comissão Europeia deve tomar uma posição firme na defesa dos direitos humanos neste país.

 
Última actualização: 7 de Maio de 2020Dados pessoais - Política de privacidade