Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Quarta-feira, 29 de Janeiro de 2020 - Bruxelas Edição revista

Intervenções de um minuto sobre questões políticas importantes
MPphoto
 

  Francisco Guerreiro (Verts/ALE). – Senhora Presidente, há quatro anos, na COP 22, o Primeiro-Ministro português, Dr. António Costa, comprometeu-se a atingir a neutralidade carbónica em 2050. Vincou mesmo que uma das suas prioridades era diminuir drasticamente a emissão de gases com efeito de estufa no setor dos transportes.

Mas, contrariamente ao anunciado, o governo português avança hoje para a construção de um aeroporto comercial no Montijo. Avança, assim, sem o apoio da sociedade civil, sem uma avaliação de impacto ambiental, sem considerar os impactos nas reservas do estuário do Tejo, sem estudos de capacidade turística e sem estudar a opção complementar do aeroporto de Beja. Aliás, a melhor justificação dada pelo governo para rejeitar o já construído e pago aeroporto de Beja é que fica – e cito – muito longe. Assumimos que seja muito longe da capital mas, caros e caras amigas, nem isto é verdade nem Portugal se resume a Lisboa.

 
Última actualização: 15 de Julho de 2020Dados pessoais - Política de privacidade