Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Quarta-feira, 12 de Fevereiro de 2020 - Estrasburgo Edição provisória

Uma Europa social num mundo digital (debate de atualidade)
MPphoto
 

  Maria Manuel Leitão Marques (S&D). – Senhora Presidente, quando, em 1834, foi aprovada a lei que criou os comboios na Bélgica, um deputado alertou no Parlamento para o medo que os agricultores tinham que lhes expropriassem as terras, que os cocheiros tinham de perder o seu emprego, enfim, até para os rumores de que o leite chegaria em manteiga ao seu destino.

Parece, portanto, que a transição digital não será pior do que foi a revolução industrial. Mas talvez seja mais exigente.

Em primeiro lugar, a mudança que provoca é muito mais rápida e não tem fronteiras. Em segundo, é muito mais exigente na alteração das competências. Em terceiro lugar, ocorre em sociedades, felizmente, muito mais atentas do ponto de vista social. E em quarto, não se limita à fábrica, toca as nossas vidas todas, as profissionais e as pessoais.

Exige, assim, não deixar ninguém para trás, democratizar o conhecimento e garantir uma distribuição equilibrada dos benefícios financeiros e em tempo livre. É preciso que isso seja feito em grande colaboração entre a política social, Senhor Comissário, e a digital. Como se fosse uma peça composta a quatro mãos com a harmonia semelhante a uma sonata de Mozart.

 
Última actualização: 5 de Março de 2020Dados pessoais - Política de privacidade