Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Quarta-feira, 12 de Fevereiro de 2020 - Estrasburgo Edição revista

Situação da luta da UE contra o branqueamento de capitais à luz do Luanda Leaks (debate)
MPphoto
 

  Francisco Guerreiro (Verts/ALE). – Senhor Presidente, Luanda Leaks, este escândalo espelha bem como o sistema financeiro, económico e fiscal promove autênticas passadeiras vermelhas de lavagem de dinheiro, corrupção e tráfico de influências.

Veja-se o caso gritante e incompreensível do sistema de vistos Gold em Portugal. Em sete anos, este regime de vistos não só pressionou os preços da habitação, tornando-os incomportáveis para a maioria dos cidadãos, como foi um falhanço a nível económico, criando apenas duzentos e treze postos de trabalho e dezasseis empresas.

Mas mais, os dados que relacionam os vistos com a entrada de capitais duvidosos são tão evidentes que este próprio Parlamento já recomendou o fim dos vistos Gold em todos os Estados—Membros, recomendação essa a que Portugal fez, e faz, vista grossa.

Mas o Luanda Leaks faz também reabrir o tema da proteção dos denunciantes e a garantia da não interferência do sistema político no jornalismo de investigação. É urgente garantir a transposição da Diretiva de 2019, nomeadamente em Portugal, sobre a proteção de denunciantes e garantir que o jornalismo de investigação tem todas as ferramentas para exercer o seu trabalho de guardião da democracia.

 
Última actualização: 16 de Julho de 2020Dados pessoais - Política de privacidade