Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Quinta-feira, 8 de Outubro de 2020 - Bruxelas Edição revista

Situação dos migrantes etíopes nos centros de detenção da Arábia Saudita
MPphoto
 

  Isabel Santos, Autora. – Senhora Presidente, são alarmantes os relatos de tortura, tratamento degradante e até morte a que os migrantes etíopes, incluindo mulheres e crianças, se encontram expostos na Arábia Saudita, arbitrariamente detidos em centros sobrelotados, onde faltam condições sanitárias, água e alimentos, isto quando escapam a ser abatidos ao cruzar a fronteira, um cenário que persiste no tempo, tendo sido agravado pela pandemia.

Tudo isto num país onde vigora a pena de morte e que tem sido autor de reiterados atropelos aos direitos humanos, como são os casos dos Srs. Khashoggi, Badawi e tantos outros objeto de resolução neste Parlamento no passado.

Não esquecemos Moria, dentro das nossas fronteiras, e também não viremos a cara ao drama dos cerca de 30 mil migrantes etíopes detidos na Arábia Saudita e às muitas outras vítimas de violações de direitos humanos. Condenamos o tratamento desumano destes migrantes e pedimos a sua rápida libertação.

A União Europeia deve dar sinais claros na sua relação com a Arábia Saudita, reduzindo a representação diplomática na próxima Cimeira do G20 organizada neste país e cessar os acordos de cooperação, bem como colocar um ponto final na venda de material que possa ser usado para vigilância ou repressão da população. É também necessário apoiar a Etiópia na criação de condições para um retorno voluntário digno e seguro destes migrantes.

 
Última actualização: 24 de Novembro de 2020Aviso legal - Política de privacidade