Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Quarta-feira, 21 de Outubro de 2020 - Bruxelas Edição provisória

Políticas económicas da área do euro 2020 - Políticas sociais e de emprego da área do euro em 2020 (debate)
MPphoto
 

  José Manuel Fernandes (PPE). – Senhora Presidente, caro Comissário, caras e caros Colegas, não é aceitável, na União Europeia, termos 100 milhões de cidadãos em risco de pobreza e 700 mil pessoas sem abrigo. Não podemos ficar indiferentes, temos de agir e cada um fazer a sua parte.

A União Europeia disponibiliza muitos recursos, como o Fundo Social Europeu, a Garantia Jovem, seguida também da Garantia Infância. Têm de ser bem utilizados e disponibilizados, nomeadamente para as instituições de solidariedade social, como as IPSS e as Misericórdias. Mas depois temos sobretudo de ir às causas, promover a autonomia individual, ajudar a ascensão social. É dessa forma que nós devolvemos a dignidade aos nossos cidadãos, e para isso temos de apostar na economia, que tem de ser resiliente, tem de ser competitiva, tem de ser sustentável. Não podemos ter medo das palavras produtividade e sustentabilidade, e do empreendedorismo que é necessário. Para além disso, temos de ajudar as empresas, e nomeadamente as pequenas e médias empresas.

E por isso, Senhor Comissário, é inaceitável que o Conselho tenha cortado um instrumento de solvabilidade precisamente para apoiar as empresas em dificuldade. É inaceitável que o Conselho tenha cortado o InvestEU, que promove o investimento.

Cada um tem de fazer a sua parte. A Comissão Europeia tem feito a sua parte, e o Parlamento. Os Estados—Membros nem todos. O Conselho não tem atuado no sentido de fazer aquilo que lhe compete para combater a pobreza, para favorecer a inclusão, para ajudar as pequenas e médias empresas, e espero que um instrumento como o SURE passe de temporário a permanente e que, além disso, seja um instrumento onde o Parlamento Europeu esteja também envolvido. Defendemos, como é óbvio, o método comunitário.

 
Última actualização: 3 de Novembro de 2020Aviso legal - Política de privacidade