Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
XML 2k
Quinta-feira, 20 de Maio de 2021 - Bruxelas Edição provisória

Recentes geadas de primavera: fruticultores e viticultores gravemente afetados (debate)
MPphoto
 

  Isabel Carvalhais (S&D). – Senhor Presidente, pese embora toda a modernização tecnológica, a vida do agricultor é, em larga medida, marcada pelo constante sobressalto ditado pelos crescentes fenómenos climáticos extremos que diluem a própria identidade das estações. As inusitadas geadas que recentemente afetaram, de modo severo, milhares de hectares de vinha e de fruteiras são disso exemplo.

A atividade agrícola tem, de facto, um carácter diferente, estando, desde logo, profundamente ligada às características dos recursos naturais. A esta condição junta-se a sua vulnerabilidade em face das crescentes alterações climáticas, fonte de riscos adicionais significativos, não só para a atividade agrícola, mas para os sistemas alimentares na sua globalidade.

Exigem-se, naturalmente, esforços redobrados no cumprimento efetivo do nosso compromisso comum de atingir a neutralidade climática em 2050, mas também a adoção de medidas concretas de adaptação que mitiguem as ameaças, protejam o rendimento dos produtores e evitem a desertificação das nossas zonas rurais.

Falamos de ter instrumentos eficientes de gestão de risco que permitam em situações extremas, como aquela que hoje aqui discutimos, dar uma resposta rápida aos agricultores que, de um dia para o outro, veem perdido o produto de todo um ano de trabalho.

Mas falamos também, por exemplo, de apoiar investimentos que reforcem o acesso justo à água, bem como o seu uso eficiente e sustentável, em particular em regiões mais vulneráveis como as regiões mediterrânicas, permitam-me que recorde aqui, onde temperaturas mais elevadas e a diminuição de precipitação ameaçam cada vez mais extensas zonas rurais, condenando-as à desertificação.

 
Última actualização: 29 de Junho de 2021Aviso legal - Política de privacidade