PE quer revisão das orientações para a energia transeuropeia 

Atualizado: 
 
Criado:   
 

Partilhar esta página: 

Os eurodeputados solicitaram orientações para o financiamento de projetos energéticos essenciais e a soluções de armazenamento adequadas às ambições climáticas da UE.

Durante a sessão plenária de julho, os eurodeputados apelaram a uma revisão das orientações de financiamento para projetos de infraestruturas energéticas transeuropeias e transfronteiriças com o objetivo de as alinhar com a política climática da UE.


Na resolução adotada, os parlamentares pedem que as orientações RTE-E sejam coerentes à luz dos objetivos da União em matéria de energia e clima para 2030, do compromisso a longo prazo da UE no que se refere à descarbonização e do princípio do primado da eficiência energética.


Em paralelo, os eurodeputados apelaram a um reforço das soluções de armazenamento de energia para ajudar a aumentar a quota de energias renováveis no cabaz energético da UE. As novas tecnologias de baterias, o armazenamento térmico e o hidrogénio verde podem desempenhar um papel crucial na concretização dos objetivos do Acordo de Paris e na garantia de um abastecimento constante de energia.

As Redes Transeuropeias de Energia (RTE-E)

 


As redes transeuropeias de energia (RTE-E) visam interconectar as infraestruturas energéticas dos países da UE. Além de permitirem identificar projetos de interesse comum (PICs), nos quais os países podem trabalhar em conjunto para desenvolver uma melhor conexão entre redes energéticas, elas também fornecem financiamento para novas infraestruturas energéticas.


Esta política encontra-se em estado de revisão para que possa ser garantida a sua conformidade com o objetivo da UE de impacto neutro no clima ao abrigo do Pacto Ecológico Europeu.


Projetos de interesse comum (PCIs) 
  • São projetos de interesse comum essenciais para interligar os sistemas energéticos dos países da UE. 
  • Os projetos selecionados beneficiariam de procedimentos simplificados de concessão de licenças, assim como do direito a candidatar-se a um apoio financeiro do Mecanismo Interligar a Europa (MIE) 
  • Os objetivos consistem em garantir: infraestruturas energéticas eficientes em termos de custos; a segurança do abastecimento energético; uma energia sustentável para todos; e alcançar a descarbonização da economia de acordo com o Acordo de Paris. 
  • A lista de PCIs é revista a cada dois anos pela Comissão Europeia. 

O apoio da UE aos "corredores de energia" ou à eletricidade, gás, petróleo, redes inteligentes e redes de dióxido de carbono pretende interligar as regiões mais isoladas, ao assegurar o fornecimento ininterrupto de eletricidade e gás a todas as zonas da UE.

Outros objetivos passam por: um reforço das interconexões transfronteiriças; um auxílio à integração das energias renováveis; e, uma melhoria da capacidade de armazenamento local.