Quais são as implicações da nova relação UE-Reino Unido no nosso quotidiano? 

Atualizado: 
 
Criado:   
 

Partilhar esta página: 

As relações entre a UE e o Reino Unido mudaram após o Brexit. Descubra de que forma isso afetará o seu quotidiano.


O Reino Unido deixou a União Europeia (UE) a 31 de janeiro de 2020. Houve um período de transição durante o qual o Reino Unido continuou a fazer parte do mercado único e da União Aduaneira, com o objetivo de permitir negociações sobre as futuras relações.

Após negociações intensas, foi fechado um acordo sobre as futuras relações UE-Reino Unido no final de dezembro de 2020 e aprovado pelo Parlamento Europeu a 27 de abril de 2021


Uma série de questões já foram abrangidas pelo acordo de saída, que a UE e o Reino Unido acordaram no final de 2019. Este acordo sobre as questões da separação trata da proteção dos direitos dos cidadãos da UE no Reino Unido e dos cidadãos do Reino Unido que vivem noutras partes da UE, dos compromissos financeiros do Reino Unido assumidos enquanto Estado-Membro, bem como das questões fronteiriças, nomeadamente na ilha da Irlanda.


Residência e trabalho no Reino Unido ou na UE

Os cidadãos europeus no Reino Unido ou os cidadãos britânicos num Estado-Membro da UE que já lá viviam antes de janeiro de 2021 são autorizados a continuar a viver e a trabalhar onde se encontram atualmente desde que estejam registados e que lhes tenham sido concedidas autorizações de liquidação pelas autoridades nacionais dos Estados-Membros ou do Reino Unido.


Para os cidadãos do Reino Unido que ainda não residem na UE, o seu direito de viver e trabalhar em qualquer país da UE para além da República da Irlanda (uma vez que o Reino Unido tem um acordo separado com este país) não é automaticamente concedido e pode ser sujeito a restrições. Além disso, as qualificações dos cidadãos deixaram de ser automaticamente reconhecidas nos países da UE, como acontecia anteriormente.


Os cidadãos do Reino Unido que desejam visitar ou permanecer na UE por mais de 90 dias, por qualquer motivo, devem cumprir os requisitos para a entrada e estadia de pessoas de fora da UE. O mesmo se aplica aos cidadãos do Reino Unido com uma segunda residência na UE.


As pessoas da UE que pretendam mudar-se para o Reino Unido para uma estadia ou para um trabalho de longa duração - ou seja, por mais de seis meses - terão de cumprir as condições de migração estabelecidas pelo governo do Reino Unido, incluindo a apresentação de um pedido de visto.


Viagens

Os cidadãos do Reino Unido podem visitar a UE até 90 dias por cada período de 180 dias sem necessidade de visto.


No entanto, os cidadãos do Reino Unido já não podem fazer uso dos controlos acelerados de passaportes e das faixas aduaneiras da UE. Eles precisam igualmente de um bilhete de regresso e devem ser capazes de provar que têm fundos suficientes para a sua estadia. Precisam ainda de ter um registo de seis meses restantes no passaporte.


Os cidadãos da UE podem visitar o Reino Unido por um período de até seis meses sem precisar de visto e devem apresentar um passaporte válido para o poder visitar.

As bandeiras da União Europeia e do Reino Unido ©AdobeStock/Ink drop  

Saúde


Os cidadãos da UE que permanecem temporariamente no Reino Unido continuam a beneficiar de cuidados de saúde de emergência com base no Cartão Europeu de Seguro de Doença. Para estadias superiores a seis meses, precisam pagar uma taxa de saúde.


Os reformados continuam a beneficiar de cuidados de saúde no local de residência. O país que paga a sua pensão reembolsará o país de residência.

Erasmus


O Reino Unido decidiu pôr fim à sua participação no popular programa de intercâmbio Erasmus+ e criar o seu próprio programa para este efeito. Por conseguinte, os estudantes da UE deixarão de poder participar no programa de intercâmbio no Reino Unido. No entanto, as pessoas da Irlanda do Norte podem continuar a participar.


Comércio de bens e serviços


Ao abrigo deste acordo, os bens trocados entre o Reino Unido e os países da UE não estão sujeitos a tarifas ou quotas. Mas existem novos procedimentos para o transporte de mercadorias de e para o Reino Unido, uma vez que estão em vigor controlos fronteiriços relativos ao respeito das regras do mercado interno (por exemplo: normas sanitárias, de segurança, sociais, ambientais) ou da regulamentação aplicável do Reino Unido. Isto implica mais burocracia e custos adicionais.

Por exemplo, todas as importações para a UE estão sujeitas a formalidades aduaneiras, ao mesmo tempo que têm de cumprir todas as normas da UE, pelo que estão sujeitas a verificações e controlos regulamentares. Tal situação não é aplicável no caso das mercadorias que circulam entre a Irlanda do Norte e a UE.


No que se refere aos serviços, as empresas britânicas já não têm o direito automático de oferecer serviços a todos os Estados-Membros da UE. Se quiserem continuar a operar na UE, terão de se estabelecer na União.