Os números das emissões do tráfego aéreo e do transporte marítimo de mercadorias (infografia) 

Atualizado: 
 
Criado:   
 

Partilhar esta página: 

As emissões dos gases poluentes provenientes da aviação mais do que duplicaram nas duas últimas décadas. E quanto às emissões dos transportes marítimos? Descubra na nossa infografia.

Apesar de os transportes aéreo e marítimo de mercadorias contribuírem, cada um, com menos de 3,5% do total das emissões de gases com efeito de estufa, têm sido as duas fontes poluidoras que mais depressa cresceram nos últimos anos.


Isto deve-se, maioritariamente, ao crescimento recorde do número de passageiros e ao volume de comércio internacional. Estes sectores só começaram recentemente a adotar políticas para cortar as emissões gases com efeito de estufa, tanto na UE como a nível global.


Numa resolução adotada em antecipação da cimeira do COP25, o Parlamento Europeu pediu uma redução mais ambiciosa das emissões do sector da aviação e do transporte marítimo de mercadorias, sugerindo, por exemplo, fortalecer as medidas comerciais para reduzir estes poluentes.



Conheça mais estatísticas sobre as alterações climáticas

Emissões em 2017  

As fontes poluentes que registaram o crescimento mais acelerado


As emissões do sector da aviação internacional e do transporte marítimo de bens cresceram cerca de 130% e 32%, respetivamente, nas últimas duas décadas. Este foi o crescimento mais acelerado de todo o sector dos transportes - e o único sector no qual as emissões continuam a aumentar desde 1990.


Apesar das melhorias no que diz respeito ao consumo de combustíveis fósseis, as emissões dos aviões devem ser sete a dez vezes mais elevadas em 2050 do que eram em 1990. Já as emissões provenientes do transporte marítimo de mercadorias devem subir entre 50 a 250%.

Evolução das emissões de gases com efeito de estufa por sector  

O aumento da utilização dos transportes aéreos e marítimos


As emissões de gases com efeito de estufa, provenientes destes dois sectores, devem-se, em grande medida, ao crescimento das trocas comerciais. O número de passageiros nos aviões na UE triplicou desde 1993 e o volume do transporte marítimo internacional de mercadorias também aumentou significativamente nos últimos 20 anos.


As crescentes preocupações com o ambiente podem levar mais pessoas a prestar atenção à sua pegada ecológica e aos meios de transporte que utilizam. Até agora, apenas uma em cada dez pessoas tem este tipo de preocupações, de acordo com o último inquérito do Eurobarómetro. Conheça os valores de emissões de CO2 de qualquer rota de avião.

Número de passageiros na UE  

O que tem sido feito para reduzir as emissões na aviação?


A UE tem tomado medidas para reduzir as emissões do setor da aviação, através do regime de comércio de licenças de emissão da UE (RCLE-UE).


A UE também está a trabalhar com a Organização da Aviação Civil Internacional para implementar medidas comerciais globais, conhecidas como Corsia, através das quais os aviões possam contrabalançar as suas emissões com o investimento em projetos sustentáveis, por exemplo, para reflorestar as florestas.

Como a UE está a promover transportes marítimos eficientes, justos e limpos

A 16 de setembro, o Parlamento Europeu votou a favor da inclusão do transporte marítimo no RCLE-UE a partir de 2022 e do estabelecimento de requisitos vinculativos para que as companhias marítimas reduzam as suas emissões de CO2 em pelo menos 40% até 2030.

De acordo com os membros do PE, a proposta original da Comissão de revisão das regras da UE relativas à monitorização das emissões de CO2 e do consumo de combustível dos navios de grande porte para que estejam em conformidade com as normas internacionais não era suficientemente ambiciosa, dada a necessidade urgente de descarbonizar todos os setores da economia.

No dia 27 de abril de 2021, o Parlamento reiterou a necessidade de uma redução substancial das emissões por parte do setor da navegação e da sua inclusão no RCLE-UE. Os membros parlamentares sublinharam igualmente a importância de avaliar o possível impacto de tais medidas na competitividade, no emprego e referiram o risco potencial de fuga de carbono.

O Parlamento quer que as seguintes medidas ajudem o sector marítimo a tornar-se mais limpo e eficiente na transição para uma Europa com impacto neutro no clima, no âmbito do Pacto Ecológico Europeu:

  • a eliminação progressiva dos fuelóleos pesados com recurso a uma compensação através de isenções fiscais no uso de combustíveis alternativos
  • a descarbonização, digitalização e automatização dos portos europeus
  • um acesso regulamentado aos portos europeus para os navios mais poluentes
  • melhorias técnicas para uma otimização da velocidade, a inovação em matéria de hidrodinâmica e a introdução de novos métodos de propulsão

Até à data, não foram estabelecidos quaisquer requisitos comunitários para que os navios reduzissem as emissões de gases com efeito de estufa.