Futuro da Europa: os cidadãos debatem a política externa e a migração 

 
 

Partilhar esta página: 

Os cidadãos europeus reuniram-se em Estrasburgo para discutir comércio, relações com EUA e China e a política de migração da UE, a 15-17 de outubro.

O encontro fez parte de uma série de painéis de cidadãos que visam fornecer o contributo dos europeus de todos os quadrantes para as conclusões da Conferência sobre o Futuro da Europa.

Um total de 200 participantes de todos os países da União Europeia (UE) foram recebidos nos edifícios do Parlamento, em Estrasburgo, para encetar um debate sobre a forma como a UE deve exercer influência na cena mundial, se há necessidade de um exército conjunto e o que fazer com os migrantes irregulares que chegam às costas da Europa.

"Eu não estava à espera disto, mas sinto-me muito bem [com esta discussão]. Sinto que algo está a acontecer na Europa. Elas [as instituições da UE] têm a intenção de fazer algo, e espero que isso não seja apenas a um nível superficial, mas a um nível substancial", disse um dos membros do painel, Sotiria da Grécia.

À procura de soluções comuns

Trata-se do quarto dos painéis de cidadãos a reunir-se em Estrasburgo no espaço de um mês, lidando cada um deles com um diferente conjunto de temas. Este último centrou-se no papel da UE na cena mundial e na política de migração.

Durante as discussões com especialistas, os europeus levantaram questões sobre: as relações da UE com os EUA e a China; as exportações de armas dos países da UE; e, a viabilidade de a Europa falar a uma só voz no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Os cidadãos também quiseram saber por que razão os países da União Europeia não fazem mais pela formação dos migrantes não qualificados e quais são os obstáculos a um sistema de asilo uniforme na Europa.

Joachim, do Luxemburgo, disse: "Estamos a enfrentar a imigração de países terceiros, imigração económica, resistências na fronteira. A migração é uma questão extremamente complexa e considero que cabe à Europa, como bloco, como unidade de valores culturais, encontrar uma solução."

Principais temas da discussão

Nesta primeira de três sessões do painel, os participantes identificaram questões que serão discutidas nas próximas duas sessões:

  • Autossuficiência e estabilidade
  • A UE como parceiro internacional
  • Uma UE forte num mundo pacífico
  • A migração de um ponto de vista humano
  • Responsabilidade e solidariedade em toda a UE


O objetivo do painel é apresentar recomendações sobre o que deve mudar nas políticas da UE. Os cidadãos também selecionaram 20 representantes que se juntarão à sessão plenária da Conferência e apresentarão o resultado dos trabalhos do painel.

No seu discurso de boas-vindas, Dubravka Šuica, vice-presidente da Comissão Europeia e co-presidente do Conselho de Administração da Conferência sobre o Futuro da Europa, sublinhou o compromisso das instituições da UE em agir consoante as ideias submetidas pelos cidadãos para a Europa.

"Abrimos um espaço público verdadeiramente europeu, onde das montanhas às ilhas, da Lapònia a Lisboa, todos podem partilhar as suas ideias com outros, apreciar diferentes perspetivas e, o mais importante, ter a possibilidade real de fazer sua voz ser ouvida e estimular a mudança", frisou.

O que se segue?


A reunião do quarto painel dos cidadãos pôs termo à primeira ronda de sessões dos painéis dos cidadãos europeus.

O quarto painel reunir-se-á novamente online de 26 a 28 de novembro para a sua segunda sessão, e depois de 14 a 16 de janeiro, em pessoa, em Maastricht, nos Países Baixos, onde os seus membros deverão finalizar as suas recomendações.

A Conferência sobre o Futuro da Europa reunir-se-á em sessão plenária de 22 a 23 de outubro para debater os progressos alcançados até à data.

As conclusões da Conferência, que serão influenciadas pelas recomendações dos painéis, são estão previstas para a primavera de 2022.


Participa e partilha as tuas ideias para o futuro da Europa na plataforma da Conferência!


Descobre o que foi discutido pelo primeiro, segundo e terceiro painéis de cidadãos.