A espionagem dos EUA na Internet gera debates nas redes sociais 

 
 

Partilhar esta página: 

Na quarta-feira, 9 de outubro, os eurodeputados vão discutir se o acordo SWIFT, um acordo de cooperação com os EUA para ajudar a detetar planos terroristas, deve ser, ou não, suspenso. © BELGA_MONKEY  

A vigilância eletrónica realizada pelos EUA é uma ameaça à privacidade dos cidadãos ou apenas uma tempestade num copo de água? As opiniões divergem nos debates realizados nas páginas do Parlamento Europeu nas diversas redes sociais. Descubra o que as pessoas afetadas têm dito sobre o assunto, na altura em que o Parlamento se encontra a investigar o escândalo revelado por Edward Snowden.

Na quarta-feira, 9 de outubro, os eurodeputados vão discutir se o acordo SWIFT, um acordo de cooperação com os EUA para ajudar a detetar planos terroristas, deve ser, ou não, suspenso na sequência da vigilância em massa levada a cabo pela agência de segurança norte-americana NSA. O Parlamento vai sobre decidir sobre esta questão na próxima sessão plenária.


Os seguidores do Parlamento Europeu no LinkedIn aconselharam prudência. Para Mogens: “os europeus não se podem defender do terrorismo sem o apoio da informação de países amigos." “Os países sempre espiaram outros países, amigos ou inimigos”, acrescentou Martin.


O assunto também foi intensamente debatido no Twitter com a hashtag #EPInquiry. Diani defendeu a necessidade de “uma Internet livre, de nos afastarmos do software dos EUA para equilibrar a privacidade e a segurança”. Asteris acrescentou que "existe uma grande diferença entre vigiar estrangeiros e vigiar todos os estrangeiros.”


Na página do Parlamento Europeu no Facebook o assunto também tem sido recorrente. Juan escreveu: “espiam tudo e todos. Tornaram-se obcecados com a segurança. Não confiam em ninguém, nem neles próprios!" Outros, no entanto, contestaram a importância das revelações. Ilse comentou: "será algo com que nos devemos preocupar? Não tenho nada a esconder, eles que espiem. Porque não preocuparmo-nos com a fuga radioativa no Japão, que nos irá afetar a todos?"


Os seguidores da página do Parlamento no Google+ também se mostraram o seu ceticismo. Matt questionou: "somos assim tão ingénuos para acreditar que são só os americanos? Estás limpa UE?" Por seu lado Juho afirmou: "na minha opinião, são notícias terríveis para a UE e a União deve reagir sem falta.”