Como aumentar o investimento verde na UE? 

 
 

Partilhar esta página: 

Energia renovável ©Mikel Martinez De Osaba/123RF/European Union – EP  

Uma mudança para uma economia menos poluidora requere um grande investimento. A União Europeia quer atrair mais financiamento privado, uma vez que os fundos públicos não são suficientes.

Investimentos da União Europeia

A UE necessita de cerca de 180 mil milhões de euros por ano de investimento adicional em eficiência energética e em energias renováveis para poder cortar as emissões de carbono em 40% até 2030. É necessário um investimento ainda maior para atingir a neutralidade carbónica até 2050.


Parte do investimento em projetos climáticos e ambientais vem diretamente do orçamento da UE. Por exemplo, cerca de 20% do orçamento de 2019, de 165,8 mil milhões de euros, está direcionado para combater as alterações climáticas. O Parlamento Europeu tenciona aumentar esta parcela do orçamento para 30%.



Como é que a UE pode atrair investimento ecológico privado?

Os fundos públicos não chegam para alcançar o investimento “verde” necessário e a União Europeia está a trabalhar para atrair mais financiamento privado. Milhares de milhões de euros já foram mobilizados através do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos e de empréstimos do Banco Europeu de Investimento (BEI). E a quantia reservada para os projetos climáticos irá aumentar.


O papel do Banco Europeu de Investimento para financiar projetos “amigos do ambiente” também tem aumentado. Enquanto discursava no Parlamento Europeu, em julho, a futura Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que iria propor uma conversão parcial de fundos do BEI num banco europeu para o clima. Esta mudança para uma versão mais “verde” do BEI vai ser debatida em plenário na quarta-feira, 9 de outubro.


O Parlamento Europeu e o Conselho Europeu também estão a debater novas regras para investimentos sustentáveis, que possam atuar como guias para os investidores, empresas e legisladores, sobre que tipo de atividades e investimentos podem ser classificados como “verdes”.