Artigo
 

Campos electromagnéticos: uma ameaça sem fios?

Saúde pública - 31-03-2009 - 15:13
Partilhar / Guardar
Linhas de alta tensão em zonas residenciais: até quando?

Linhas de alta tensão numa zona residencial ©BELGA_SCIENCE

Os nossos corpos estão constantemente expostos a radiações provocadas pelo homem, dos telefones portáteis aos telefones móveis, passando pelas linhas de alta tensão, antenas e redes Wi-Fi. Quais os perigos associados à exposição a ondas electromagnéticas para a saúde humana? Ainda não sabemos, avança a eurodeputada belga Frédérique Ries, que defende a implementação de medidas preventivas antes de serem conhecidos os resultados das investigações científicas nesta matéria.

Numa resolução adoptada em Setembro de 2008, o Parlamento Europeu afirmou que "os limites de exposição aos campos electromagnéticos definidos em 1999 para o público em geral estão obsoletos".
 
Um mundo sem fios
As tecnologias sem fios apresentam vantagens indiscutíveis, mas estaremos suficientemente protegidos dos seus riscos?
 
Há dois anos que o número de subscrições de telefones móveis na UE ultrapassou o número de cidadãos europeus e a indústria continua a prosperar. No entanto, não existe legislação europeia sobre as questões de saúde eventualmente associadas à utilização de telefones móveis e é necessária mais investigação sobre os seus efeitos a longo prazo.
 
Os estudos sobre os riscos associados aos campos electromagnéticos continuam e até ao final deste ano deve ser publicado um estudo, financiado pela Comissão Europeia, sobre a relação entre a utilização de telemóveis e o cancro.
 
A Organização Mundial de Saúde e alguns cientistas afirmam que, até 2015, será impossível saber se as tecnologias GSM têm efeitos cancerígenos.
 
Prevenir para não ter que remediar
De acordo com Frédérique Ries (Grupo dos Verdes/Aliança Livre Europeia), autora do relatório sobre preocupações com a saúde associadas aos campos electromagnéticos, estamos constantemente expostos a um "cocktail de ondas electromagnéticas".
 
Nesse sentido, afirma a eurodeputada neerlandesa, devemos agir agora, em vez de ficar à espera dos resultados científicos definitivos, e aplicar o princípio da precaução, limitando a exposição e os potenciais efeitos negativos.
 
O relatório, que será apresentado no dia 1 de Abril, durante a sessão plenária de Bruxelas, defende igualmente que as antenas de comunicações sem fios, as linhas de alta tensão e os restantes equipamentos geradores de campos electromagnéticos devem ser colocados a distâncias específicas de escolas e zonas hospitalares.
 
Assista à sessão plenária, em directo, através da ligação abaixo indicada.
 
 
REF.: 20090326STO52724